Loading...
Instagram Public Photos with #criminalove_imagine

Criminal love - final mayke: eii! vocês tem dois filhos para cuidar. — me intrometi, antes que esses malucos, cometam alguma loucura. lari: ele trapaceou, mayke! — relutante, abaixei a minha arma. joão fez o mesmo. mayke: relaxa, boneca... eu vi. joão: quem você pensa que é, para chamá-la de boneca, caralho!? lari: vai se foder, ávila. — nos encaramos por alguns segundos e instantaneamente, começamos a rir. mayke: haa, vão tomar no c* vocês dois, eu hem... casalzinho mais bipolar. — murmurei e me afastei dali. joão: desculpa, vai... não fica puta comigo por isso. lari: tudo bem, mas devido a trapaça... serão dois meses dando banho e limpando as crianças — fiz bico. joão: ok, dois meses então... agora vem comigo. (minutos depois...) joão: se lembra de quando eu te trouxe aqui, pela primeira vez? lari: claro que sim... foi quando você declarou, estar fodidamente apaixonado por mim. — estávamos no alto do morro, em uma região estratégica, da cidade... o céu estava estrelado, e a luz da lua completava a linda paisagem, fazendo contraste com a penumbra da noite. joão estendeu sua mão, e me ajudou a sair do carro. — sabe, eu ainda não consigo acreditar que você abriu mão do teu maior sonho, por mim e nossos filhos. joão: vocês são minha prioridade agora. o meu bem mais precioso. a minha família. lari: owwwn, olha como ele está sendo fofo. — seus braços envolveram a minha cintura, me colocando sentada, em cima do capô do carro. dei um gritinho pela surpresa, e ele posicionou seu quadril, entre as minhas pernas. joão: me chama de fofo de novo, que eu te dobro agora mesmo... lari: tão delicado... — revirei os olhos — você é um idiota. joão: o seu idiota. — sorri e selei nossos lábios. lari: eu amo você, jojo. joão: eu também te amo, boneca. — sei que estamos longe de ser o "casal perfeito" e romântico, somos a mistura do certo e o errado, do fogo e paixão... "é o nosso paraíso, e é a nossa zona de guerra". uma bagunça explosiva, na maior parte do tempo... nosso amor é como uma droga, ao qual não conseguimos viver sem. e foda-se, eu sou completamente e loucamente viciado, por cada pedaço dessa garota. a minha garota. fim. #criminalove_imagine #jolari

comment 2,683 star 3,937 2 weeks ago

Xxx: como vocês dão uma festa sem a atração principal? maisa: o estraga prazeres chegou! joão: boa noite pra você também, estrupício. — sorri debochado. maisa: desculpa? — franzi o cenho joão: ta desculpada. — foda-se, eu tô muito p**o com essa p*rra que fizeram na minha casa. lari: isso não pode estar acontecendo... eu devo ter o dedo podre mesmo, é a única explicação. joão: o que disse? — dei um passo me aproximando dela, mas o thoba, thomaz sei lá como esse fdp se chama, entrou na minha frente, criando uma barreira entre nós. thomaz: é só uma festa cara, será que tem como deixar de ser chato ao menos uma vez na vida? joão: então quer dizer que a minha casa virou motel agora? — cruzei os braços. lari: do que está falando? joão: além de dar uma festa sem a minha permissão, traz o namoradinho para f*der na minha piscina... lari: o que? — o olhei indignada. joão: sabe muito bem que odeio que invadem o meu espaço. e de onde saiu essa ralé toda? você nem tem amigos, é a pessoa mais anti-social que conheço. — esculhachei. ela moveu os lábios, mas eu continuei a falar — se tiver alguém infiltrado nessa p*rra toda, você vai pagar caro! — carlos se aproxima, acompanhado pela giovanna. carlos: relaxa man, o zé e eu já checamos o local, e não tem nada além de jovens e adolescentes com os hormônios a flor da pele. giovanna: inclusive 3 deles estão fazendo uma surub* no seu quarto. — ri. joão: kee? carlos: respira parça, a gih só está brincando... — joão bufou e retirou um cigarro do bolso. pegou o isqueiro e acendeu o mesmo. lari: eu não sei como a notícia da festa se espalhou... só convidei 10 pessoas no máximo, eu juro. joão: cala a boca caralh*! — esbravejei. preciso pensar em alguma coisa para expulsar essa gente toda daqui e depois me vingar da larissa. thomaz: cala a boca você! não tem vergonha de tratar uma mulher desta forma? joão: vai se ferrar, a vida é minha, e a trato como eu quiser. — traguei a fumaça e soprei na cara dele só para provocar. — além do mais, é melhor você cair fora da... — antes de completar, ele se aproveitou da minha distração e me empurrou para dentro da piscina, com o cigarro e tudo. #criminalove_imagine

comment 958 star 4,200 February 2017

Criminal love - capítulo 138 (larissa manoela on: acordei com a claridade invadindo o meu quarto. olhei para o lado e avistei joão dormindo com os braços em volta do meu quadril. sorri com a cena, e parei meu olhar sob seu corpo... ele parecia uma boa pessoa enquanto dormia, mas só parecia mesmo porque acordado estava bem longe de ser. suspirei e mais uma vez me impressionei com o fato de estarmos brigando feito cão e gato e de uma hora para outra, estarmos nos beijando e dormindo juntos. tudo bem que ele estava bêbado e nem deve se lembrar do que aconteceu, mas como a iludida que sou prefiro pensar que ele estava ciente de tudo. balanço minha cabeça de um lado para o outro despertando dos meus pensamentos e me assusto ao ver que o relógio na parede marcava 06:25. estou mais que atrasada e preciso tirá-lo de cima de mim. — joão, joão! — o chamei com calma, mas nada! — joão, acorda eu preciso me arrumar para ir a aula. — sem sucesso. — joão guilherme de ávila costa, acordaaaaa... — praticamente berrei e ele despertou com um susto caindo da cama em seguida.) joão: ah caralho, minhas costas! — murmurei ao colidir com o chão. — que porra é que eu tô fazendo aqui? e de roupão rosa? lari: olha querido, não venha reclamar... eu bem que queria buscar uma roupa no seu quarto, mas você não deixou... e caso não se lembre, ontem você bateu na porta do meu quarto completamente bêbado, falando que me trouxe um presente que no caso, era a cachorrinha ali, ó — apontei para a mesma que estava fazendo a festa em cima das roupas do joão — e depois me pediu para cuidar de você! joão: isso é mentira, eu estava em um bar bebendo e trocando idéia com uns amigos e... e... — flash's da noite anteior invadiram minha mente. — porra! me lembro de quase ter atropelado essa cachorra no meio da rua... e depois de ter a pegado e colocado no carro já que ela me lembrava a você. lari: de novo com essa história de me chamar de cachorra? — cruzei os braços e o olhei indignada. joão: deixa de ser burra garota, a cachorra é fofinha e tem os olhos verdes, por isso ela me lembra você. lari: desculpa? ... mas por acaso está me chamando de gorda? #criminalove_imagine #jolari

comment 713 star 3,937 February 2017

Lari: eu... eu não sei o que dizer. — suspirei em derrota. josé pires: estarei por perto, caso precise de alguma coisa. lari: ok. — assenti e ele saiu. joão acendeu um cigarro, e ficou encostado no batente da porta, enquanto eu desesperadamente retirava minhas roupas do closet. quinze minutos depois... já estava com tudo pronto. deixei o colar e a pulseira que ele me deu em cima da cama, e em seguida saí arrastando minhas malas pelo corredor. joão veio atrás, sem dizer nem uma palavra. desci as escadas com certa dificuldade, e ao passar pela cozinha... sophia: a senhorita vai viajar? — indaguei e ela se aproximou de mim... — senhorita larissa, senhorita larissa? — recuei cinco passos, colidindo meu corpo contra a parede fria. lari: escuta aqui sua vadia. — peguei sophia pelos cabelos e a derrubei no chão. me abaixei e me encaixei entre seu tronco, isso é por ter arruinado o meu namoro! — dei um tapa. — e isso é porque eu quis! — dei outro tapa ainda mais forte. — e vê se cresce! vê se aprende a ser uma mulher de verdade! porque até aonde eu sei, você é uma puta! e olha que eu ainda estou ofendendo as putas, porque elas dão porque precisam, trabalham com isso. já você... dá porque quer... porque gosta de ser arrombada. sua piranha maldita. — me levantei e dei um chute em sua boca, fazendo-a sangrar. sophia: socorro, joão, tira ela daqui! — pedi aos prantos. lari: relaxa, pode ficar com ele pra você! você é o tipo de projeto de mulher que ele merece. — recuperei meu fôlego e engoli o choro... tornei a pegar minhas malas e caminhei em direção à porta. mas antes de sair da casa, me virei para joão e disse. — bom então é isso... todas as lutas, o choro, os momentos bons e até mesmo os ruins... os risos, a cumplicidade... tudo, tudo foi em vão! — arfei. — adeus joão — uma lágrima escapou. josé pires: podemos ir? lari: sim. podemos. — ele me ajudou a colocar as malas no carro e em seguida abriu a porta do passageiro para mim. joão: adeus boneca. — falei em tom inaudível, ao vê-la partir.. "e estou aqui sentado, com os olhos bem abertos... me perguntando se me livrei de uma cilada ou se perdi o amor da minha vida." #criminalove_imagine #jolari

comment 2,323 star 4,106 last month

João on: essa mina está me provocando... já é a segunda vez que ela passa rebolando na minha frente de propósito e por pouco não a agarro só para ela aprender não brincar comigo. ela ficou rindo e conversando o tempo inteiro com o carlos e o idiota do zé felipe; mas é claro ele é o legalzão, que tem um bom papo e trata as mulheres com respeito. mas o que ele não sabe é que elas preferem os cafajestes que pisam nelas e as fazem chorar de prazer na cama. já são seis horas da tarde e eu tenho que me arrumar para ir no maldito racha com o mayke. eu curto muito rachas mas esse p*to voltou por algum motivo e tenho certeza que coisa boa não é. (enquanto isso...) zé felipe: bom, já estou indo. carlos: eu vou com você. giovanna: eu também. zé felipe: nos vemos depois. — me despedi da larissa e fomos embora. jade: e ficamos somente eu e você... sabe lari, o carlos me contou que você está a procura de dormitórios ou irmandades perto do campus da nyu e sei de um lugar ideal para você e se quiser posso te levar lá hoje mesmo. lari: sério? você não imagina o quanto agradeço, eu preciso mesmo de um lugar para ficar. jade: magina querida, se arrume que em uma hora te pego aqui. (larissa on: tomei um banho e me vesti. o tempo passa e um dos seguranças me avisa que jade está me esperando do lado de fora. adentrei no carro e ela deu partida. estranhei o trajeto mas não protestei. assim que ela estaciona pude avistar que estávamos numa casa aonde acontecia uma festa.) jade: anda, desce! lari: porque me trouxe aqui? jade: já vai saber. lari: mas... — ela puxou o meu braço me levando até o interior da casa. o lugar parecia o inferno, pessoas bebendo, dançando, fumando e posso jurar que tinha um casal fazendo sexo no meio da sala. até que uma voz me despertou do transe. mayke: preparado joão? joão: para te derrotar? mas é claro! jade: boa noite meninos, o que acham de tornar esse racha mais interessante? joão: como assim? jade: podiam fazer uma aposta! — sugeri. mayke: que tipo de aposta? jade: quem ganhar a corrida leva a larissa manoela pra cama! lari: o que??? — meu coração disparou e gritei fazendo com que todos me olhassem. #criminalove_imagine

comment 1,665 star 4,653 January 2017

Criminal love - capítulo 01 larissa manoela on: acordei com o barulho estridente do meu despertador, já são sete horas da manhã e preciso me apressar pois um longo dia me espera. minha vida se resume em "mera rotina". colégio, casa, casa e colégio. não me considero o tipo de garota anti-social e sem amigos, mas meu conceito de diversão se difere da maioria dos jovens da minha idade. raramente vou a festas, exceto quando maísa, minha melhor amiga me "obriga" a acompanhá-la. podem me chamar de tediosa ou introvertida mas prefiro mil vez ficar em meu quarto lendo livros, escutando músicas do que frequentar locais cheios de pessoas se embebedando como se não houvesse o amanhã. este é meu estilo de vida, esta é a minha rotina e o jeito que eu escolhi para ser; mas tudo mudará a partir de hoje. o fato de ter conquistado uma bolsa integral em uma das melhores universidades de nova york só comprova que sempre estive certa em me ocupar com os estudos e me preocupar com minhas notas. a parte negativa disso tudo é que o campus fica a horas de distância da minha cidade, já que moro no sul da califórnia, em san diego para ser mais exata. eu poderia estudar por aqui mesmo, mas minha mãe fez questão que eu optasse pela (nyu) new york university, já que a mesma se formou nesta instituição. às vezes me pergunto se é apenas por tradição de família ou se ela quer se ver "livre de mim". meu relacionamento com silvana taques nunca foi dos melhores, não discutimos nem nada do tipo, mas não temos aquela afinidade que geralmente existe entre mãe e filha. o mais estranho disso tudo é sua insistência para eu ficar na casa dos ávila, antigos conhecidos da mesma. me sinto desconfortável com esta idéia, não gosto de ser um empecilho e incomodar ninguém! mas ela alega que naira tem uma grande dívida com ela e que me receberá de "braços abertos". hoje me mudo para nova york e espero que minha estadia neste novo lugar seja a mais calma e tranquila possível. #criminalove_imagine #jolari

comment 554 star 5,312 January 2017

Vou sentir falta, muita falta😭😭😭 #criminalove_imagine #jolari @imaginejoaoelarii

comment 4 star 19 2 weeks ago

Melhor imagine.❤ melhor escritora 💙@imaginejoaoelarii a melhor fic de todas. pena que amanhã acaba.😢❤ #criminalove_imagine #isaah

comment 1 star 34 2 weeks ago

Vcs tem que ler esse imagine muito foda #criminalove_imagine @imaginejoaoelarii

comment 0 star 2 3 weeks ago

Mayke petterson narrando: apressadamente, escondi o celular dentro da calça e me retirei da cela. não tinha tempo a perder... mesmo que eu arrisque a minha pele, eu preciso "quebrar essa" para o joão. sei que a lei dentro dos presídios federais, não é efetuda a risca, fora que a maioria dos policiais, são uns filhos da puta, corruptos... que se submetem a tudo, por dinheiro e poder. muitos deles, fazem parte da máfia; e aproveitam de sua posição para facilitar o tráfico e contrabando de armas, entre outros crimes... dentro e fora da prisão. então, me aproveitando deste fator, ofereci uma alta quantia para um dos presidiários, considerado com um dos maiores líderes daqui. como previa, o mesmo não hesitou em me "ajudar". em questão de minutos, rodgger, seguiu até um dos policiais, (que fazia ronda pelos corredores que dão acesso a ala, onde ficam as celas solitárias) e negociou. com uma boa lábia, argumentos e milhares de dólares envolvidos, o policial acabou por concordar. então, sem delongas adentrei aquele corredor sombrio, caminhando em direção à cela que em joão estava. respirei fundo, tirei o celular do do cós da calça e o empurrei atraves da pequena grade... só espero que não seja tarde demais, e que o ávila consiga acompanhar a ecografia de seus filhos. (enquanto isso...) sophia martins narrando: "me deixe aqui, por favor" informei ao taxista, que parou em frente ao local solicitado. prontamente, desci do carro e empurrei as portas duplas tendo acesso ao local. alguns minutos se passaram, e uma moça que aparentava ter seus quarenta e poucos anos, me atendeu. expliquei tudo a ela, do jeitinho que pires me instruiu, e a loira assentiu, me entregando um pequeno frasco de vidro. cassandra: use o conta-gotas que está anexado a tampa do frasco, e "pingue" duas gotinhas do líquido no café da moça, todas as manhãs. sophia: ok. — peguei uma nota de cem dólares da carteira, e a entreguei. mas antes de me levantar, ousei em perguntar... — escuta; o que acontece, se eu aplicar uma dosagem maior? — ela me fitou séria, e respondeu: cassandra: bom... além de atrapalhar a gestação... pode acabar tirando a vida da gestante. #criminalove_imagine

comment 574 star 3,236 4 weeks ago

Criminal love - capítulo 392 (larissa manoela narrando: trinta minutos depois... já estávamos devidamente vestidos e prontos para sair. acontece, que mharessa "para variar", nos chamou para sair. a escolha da vez era um pub, que havia inaugurado há algumas semanas atrás. a princípio relutei em aceitar; afinal... sempre que saímos, uma merda bem grande acontece... mas após muita insistência da mha, acabei por concordar.) joão: chegamos. — proferi ao estacionar meu carro em frente ao estabelecimento. lari: só espero que nada de ruim aconteça dessa vez. — sussurrei quase inaudível, e seguimos até o bar. (...) giovanna: achei que nunca fossem chegar. — declarei e puxei lari para um abraço. carlos: nem imagino o porquê do atraso — impliquei com ela, que franziu a testa, tentando ignorar meu comentário carregado de duplo sentido. lari: é bom te ver também, carlos. — soltei uma risada meio sem graça e tentei me envolver na conversa. mharessa: lari, o que é isso no seu pescoço? lari: aaah — ela pareceu entender e abriu um sorriso malicioso na minha direção. carlos: isso é um chupão... parece que a noite foi intensa, não é verdade? — pigarreei. — joão sorriu sacana, e larissa me fuzilou com o olhar. thomaz: gente, para. vocês estão deixando a menina vermelha — tentei aliviar a barra de lari. lari: obrigada, tho. — meu olhar se cruzou com o de joão rapidamente, que se divertia com o meu constragimento. esse safado vai me pagar. mharessa: ai meu deus, eu amo essa música! — olhei para tho e o puxei pelo braço — vem, vamos dançar. giovanna: eu também quero. — fitei carlos, e seguims até a pista de dança. lari: vou ao banheiro... — informei ao joão, antes de me levantar. joão: ainda está excitada, boneca? — mordi meu lábio e ela fez caretam, me mandando o dedo do meio. lari: cala a boquinha, joão guilherme. — ajeitei minha roupa no corpo, e saí rebolando em direção ao banheiro. (...) ao terminar de usar o mesmo, lavei minhas mãos, dei uma checada em meu cabelo e maquiagem, e ao retornar para o salão... prendi a respiração ao ver josé pires com os punhos cerrados, sentado no canto do bar. #criminalove_imagine

comment 791 star 4,144 last month

Criminal love - capítulo 390 joão: haaa, agora tudo se encaixa. foi por isso que te encontrei em meu quarto aquela noite... você estava me roubando. — balancei minha cabeça de um lado para o outro, enquanto tentava processar sua confissão. lari: me desculpe, por favor. eu estava tão chateada e magoada por aquilo... que ameacei a sophia, obrigando-a me ajudar entrar na mansão, sem que ninguém percebesse. mas eu vou agora mesmo até meu apartamento, pegá-lo e entregá-lo para vo... joão: tudo bem... não tem problema. lari: oi? tem certeza que não está dormindo ainda? — indaguei e ele sorriu. joão: não irei mentir... eu estou p**o com o que você fez, mas... eu mereci. — ela arqueeou uma sobrancelha, incrédula. — além do mais... isso significa que você aprendeu direitinho. a pagar na mesma moeda, e não se tornarar uma perdedora indefesa. lari: uau... eu juro que não esperava essa reação de você. — esbocei um sorriso satisfeita. — mas fique tranquilo, que hoje mesmo eu irei ligar para o eduardo, e dizer que estou fora dessa "missão". — joão concordou com a cabeça e me puxou para um abraço. (enquanto isso...) josé pires narrando: dirigia meu audi a5, com a raiva proeminente em minha cabeça. depois de tudo que ele fez... a larissa optou em correr de volta para os braços do joão; me deixando como segunda opção. completamente frustrado, estacionei meu carro em frente ao prédio em que ela mora, e segui em direção à seu apartamento. (...) não tive nenhuma dificuldade em passar pelo porteiro, já que o mesmo está acostumado com minhas constantes visitas à lari. antes de ponderar ao que vim fazer, fiz questão de checar se havia mesmo câmeras de segurança no interior do recinto; constatando que lari havia mentido. então, apressei meus passos, retirei meu equipamento e abri a fechadura da porta. rapidamente... vasculhei os cômodos, e avistei o pen drive em cima da mesinha, no meio do sala. liguei meu notebook, peguei o portátil, e o inseri... fazendo uma cópia de todos os arquivos. — agora sim... — sorri de canto — vou mostrar quem é o "coitadinho" da história. #criminalove_imagine #jolari

comment 1,333 star 4,208 last month

Gente quem ai ama esse #criminalove_imagine 😍é muito bom ❤

comment 0 star 15 March 2017

Criminal love - capítulo 252 (larissa manoela narrando: no dia seguinte, amanheci com minha cabeça latejando e a garganta inflamada; meu corpo parecia feito de chumbo e doía muito. desde a madrugada em que aconteceu o assalto, tenho me sentido fraca. uni todas as minhas forças para tentar me levantar, e caminhei até a cozinha, sentindo frio a ponto de arrepiar os pelos da minha pele. sentei-me ao balcão e passei a mãos pelos cabelos, logo apoiando a cabeça na pedra fria. meu corpo estava tão dolorido que eu poderia jurar que entraria em colapso a qualquer instante. passei a mão pela cama até encontrar o celular, e enviei uma mensagem para joão, pedindo-o que viesse até o meu quarto.) joão: puta que pariu, está ardendo em febre. — afirmei ao pressionar minha mão sobre a testa de lari. vou buscar algum remédio e pedir a nina para preparar algo para você comer. (15 minutos depois) — aqui boneca, eu trouxe analgésico e sopa. lari: obrigada. — sorri fraco e ele me entregou um um comprimido grande e achatado e um copo d’água. — isso não é um "boa-noite cinderela", ecstasy ou algo do tipo, né? — brinquei. joão: é heroína . — zoei. — agora come um pouco dessa sopa. nina disse que levanta até defunto. lari: besta. — tornei a sorrir, e ele me ajudou a comer, levando a colher até a minha boca. — obrigada por cuidar de mim. — sorri fraco. joão: acho bom não se acostumar... lari: fala para a nina, que eu agradeço, e que sopa está muito gosto... — fui interrompida de falar, quando a pessoa que menos esperava ver, entrou no quarto, acompanhada por naira. arregalei os olhos e joão ficou levemente desconfortável, olhando com o semblante confuso para sua mãe. — o que a senhora está fazendo aqui? — indaguei. silvana: larissa, arrume as suas coisas... eu vou te levar pra casa. #criminalove_imagine #jolari

comment 3,399 star 4,351 March 2017

Lari: bem... joão: bem o que? está errada, completamente errada! não me deu uma oportunidade para te explicar. eu tentei contar sobre o plano várias vezes quando estive no quarto... e o que você fez? me ignorou. agiu como a p*rra de uma criança impulsiva! lari: não grita! eu estou com uma puta dor de cabeça... está tudo girando. — fiz uma careta em desgosto. joão: o problema é teu se bebeu como uma alcoólatra. — vociferei — e tem mais, vai ter que se virar e arrumar um jeito de encontrar o mapa do banco! porque graças a sua crise ridícula de ciúmes, não tenho idéia de como roubar aquela porr*! lari: isso é tudo culpa sua! finge que eu não existo e me chamou de vadia perto da loira e daquele cara. joão: eu só disse aquilo para te proteger! quando vai colocar isto na tua cabeça? eu estou ficando louco, você tá me deixando maluco, garota, por quê? por que você foi aparecer na minha vida? por que eu te arrastei pra cá? — suspirei. — reclama por eu te chamar de vadia, mas hoje se portou pior do que uma! — imagens dela requebrando aquele traseiro gigante sobre a pista de dança, passam uma vez e outra pela minha cabeça. lari: se eu não tivesse habituada a você sempre esconder as coisas e mentir para mim, nada disso teria acontecido! — me defendo. joão: haa, quer saber? vai para o quinto dos infernos, garota! não tenho tempo para perder me justificando com uma orgulhosa, pretenciosa como você! lari: desculpa por ter dançado lá em cima... não foi nada de especial, só agi sem... sem pensar. joão: está brincando certo? por favor, diga que está, porque se tivesse sido eu, provavelmente nunca mais falaria comigo! mas como foi já que foi a santa larissa, não faz mal! — pronunciei com sarcasmo. lari: joão, eu... joão: agora vou indo nessa, tenho que explicar para o carlos e o zé que o esquema foi arruinado. lari: espera... o josé felipe sabia de tudo isso? joão: o que acha? — respondi o óbvio e peguei meu celular. lari: hmmm... — então quer dizer que ele quis tirar proveito da situação. haha, acho que está na hora de mostrar ao zé, que não sou tão ingênua como ele pensa... eu vou me vingar! #criminalove_imagine #jolari

comment 513 star 3,683 March 2017

(larissa manoela narrando: gih e eu atravessamos o lado inferior do palanque aonde aconteciam as apresentações de dança, e convencemos os seguranças a nos deixarem entrar. "o que o dinheiro não, faz não é mesmo?" assim que tivemos acesso a área caímos na pista, e sem nenhum pudor começamos a dançar. estava tocando: naughty girl - beyonce, uma música com o rítimo envolvente e sensual... rebolava, requebrava e descia até o chão e gih fazia o mesmo... não arrisquei a sensualizar no poste de pole dance em que as dançarinas profissionais dançavam, mas dei o meu melhor na superfície da pista. olhares maliciosos eram lançados sobre nós, e os homens e até mesmo algumas mulheres nos "comiam" com os olhos) carol: ei jojo, aquela ali não é a menina feia que estava se insinuando para você ainda há pouco? joão: espera... — eu estava "brisando" — de quem você está falan... — rolo meus olhos logo à frente, esbugalhando os mesmos ao constatar de quem se tratava. era a larissa, a minha larissa dando um show para esses babacas! ela remexia, rebolava e balançava seus cabelos de um lado para o otro, enquanto deslizava suas mãos pelo seu esculpido e delicioso corpo. — mas que porra! — esbravejei e acidentalmente, acabei derrubando o meu shot de tequila no vestido da carol. carol: aaah!!! você arruinou ou meu vestido caríssimo! — choraminguei. joão: foda-se! — a empurrei de minha frente, e saí pisando duro em direção a larissa. impaciente, esmurrei os seguranças e invadi a pista de dança, dando fim aquela àquela palhaçada. chamei carlos para pegar a gih, enquanto eu puxava a lari pelo braço, afastando-a daquele lugar. — você está louca? lari: para de grita comigo! você não tem nenhuma moral para falar de mim! volta para a sua loira, e me deixe em paz! joão: ok eu vou... mas antes fique sabendo que isso era uma armação! carol é filha de sheldo, o dono do cassino e banco que vamos assaltar, eu não tenho nada com aquela garota, só a seduzi para porque era tudo parte do plano, mas seu orgulho mesquinho me impediu de te avisar! lari: haa. — tentei formular alguma frase, mas honestamente não sabia o que dizer. #criminalove_imagine #jolari

comment 2,294 star 4,361 March 2017

Criminal love - capítulo 204 | hot, quem não gosta, nãooooo lê!!! (larissa manoela narrando: antes que eu pudesse completar... as mãos de joão percorreram meu corpo e apalparam os meus seios, fazendo-me arfar. compartilhamos um olhar cúmplice e permissivo, para que então, seus lábios tomassem os meus em um beijo exigente e urgente. observei-o rasgar um pacote de preservativo, deslisando sobre seu membro; para depois tornar a nos selar... enquanto o beijo se intensificava, senti seu aperto em minhas nádegas, me fazendo gemer contra seus lábios. instigado por meu ato, fui pressionada contra a parede fria, dando-me impulso para saltar e entrelaçar minhas pernas ao redor do seu tronco. ele apertou minhas coxas, nos dando equilíbrio e firmeza.) joão: o que quer que eu faça com seu corpo delicioso, hun? — indaguei enquanto roçava o meu p** sobre sua região íntima. lari: jo-ão... — murmurei num tom manhoso ansiosa pelo que estava por vir. joão: tudo bem então, acho melhor eu... — cortou-me. lari: eu quero você dentro de mim... — proferi com certa impaciência, e tais palavras bastaram para que ele me preenchesse. fitei seu corpo se inclinando para trás e para frente fazendo com que seu membro adentrasse por completo; alcançando o meu ponto de prazer. conseguia sentir meus pulmões clamando por ar, enquanto suas investidas se tornavam mais intensas e brutas. segundos depois, um gemido rouco de joão anunciava a chegada do seu clímax. simultaneamente, meu corpo se desfez em prazer e grunhi alto atingindo o meu ápice. após ambas respirações se estabilizarem, e ainda sem me soltar... ele caminhou para fora do banheiro tentando não escorregar com a água que escorria por nossos corpos. minhas costas se chocaram contra a supefície macia da cama, e joão se deitou ao meu lado, cobrindo-nos com um lençol. me aconcheguei em seus braços e criei coragem para proferir . — sim, eu aceito. — sussurrei baixinho. joão: aceita o que? — perguntei confuso. ela se virou e colou nossas testas; conectando o seu olhar ao meu. lari: eu aceito ser sua garota! #criminalove_imagine #jolari

comment 2,445 star 4,296 March 2017